Na primeira parte dessa série de postagens, demonstramos como satanás é inserido em um texto do qual não faz parte, porém há ainda muitos outros textos dos quais devemos tirá-lo, para que possamos ter uma real compreensão sobre quem é satanás. Mas deixaremos isso para quando estivermos analisando qual a “função” de satanás.

Na postagem de hoje, veremos algumas idéias sobre quem é satanás.

Ao pensar na figura de Satanás, algumas perguntas nos vêm à mente:

Ele existe literalmente como um ser?
É apenas uma força maligna atuante no mundo?
É apenas a maldade contida no ser humano?


Pois bem, para começar, pensemos que Satanás é uma figura muito controvertida na Bíblia. A palavra ‘Satã’ significa acusador. Ele aparece, pela primeira vez no livro de Jó, sendo como um promotor celestial. A sua intimidade com Deus e o direito de entrar no ‘Céu’, de ir e vir livremente e dialogar com Ele, torna-o uma figura de muito destaque. Veja o livro de Jó 1:6, um dia em que os filhos de Deus se apresentaram diante do Senhor, veio também Satanás entre eles.

Até ai tudo bem, porém lembremos que a data de quando foi escrito o livro de Jô, permanece uma incógnita, porém sendo muito aceito entre grandes estudiosos com escrito depois do Exílio Babilônico. Sabemos que o povo judeu, tendo retornado a Israel com a permissão de Ciro, rei persa, no ano de 538 a.C., assimilou muitos costumes dos persas. Isso ocorreu devido à simpatia e apoio que receberam do rei, que inclusive permitiu a construção do Segundo Templo judaico e ainda devolveu muitos de seus tesouros, que haviam sido roubados.

Após anos de contato com os persas, é impossível não perceber como a religião dos persas, o Zoroastrismo, influenciou o judaísmo.No Zoroastrismo, existe o Deus supremo ‘Ahura-Mazda’ que sofre a oposição de outra força poderosa, conhecida como ‘Angra Mainyu, ou Ahriman’, ‘o espírito mau’. Desde o começo da existência, esses dois espíritos antagônicos têm-se combatido mutuamente. O Zoroastrismo foi uma das mais antigas religiões a ensinar o triunfo final do bem sobre o mal. No fim, haverá punição para os maus, e recompensa para os bons.

Partindo desse princípio encontramos a idéia, a qual muitos teólogos modernos têm, de que foi do Zoroastrismo que os judeus aprenderam a crença em um ‘Ahriman’, um diabo pessoal, que, em hebraico, eles chamaram de ‘Satanás’. Por isso, o seu aparecimento na Bíblia só ocorre no livro de Jó e nos outros livros escritos após o exílio Babilônico, do ano de 538 a.C. para cá. Nestes livros, já aparece a influência do Zoroastrismo persa. Vejamos ainda que a tentação de Adão e Eva é feita pela serpente e não por Satanás, demonstrando assim, que o escritor de Gênesis não conhecia Satanás.
Os sábios judaicos interpretando Eclesiastes 10:11, afirmam (Pirkei de Rabi Eliezer 13), que na verdade, a cobra que seduziu Adão e Eva era o Anjo Samael que apareceu na terra sob forma de serpente. E que Ele é conhecido como o ‘dono da língua’. O Anjo Samael, que apareceu sob a forma de serpente, usou sua língua, e este poder pode ser usado somente para dominar o sábio, ele não pode prevalecer sobre um ignorante!
Outra observação interessante é que o livro de Samuel foi escrito antes da influência persa no ano de 622 a.C e, no II livro de Samuel em seu capítulo 24:1, você lê com relação ao recenseamento de Israel o seguinte:

“A cólera do Senhor se inflamou novamente contra Israel e excitou David contra eles, dizendo-lhe; Vai recensear Israel e Judá..”
Agora vejamos esta mesma passagem no I livro das Crônicas, que foi escrito no começo do ano 300 a.C, portanto, já sob a influência do Zoroastrismo persa, com o já conhecimento de ‘Ahriman’ – ‘Satanás’. No capítulo 21:1 desse livro, está escrito:

“Recenseamento: ‘e levantou-se Satã contra Israel, e excitou David a fazer o recenseamento de Israel.”

Portanto, o que era o Senhor no livro de Samuel aparece agora no livro das Crônicas como Satanás. Dessa forma, muitos pensam que, Satanás não é um conceito original da Bíblia, e sim, introduzido nela, a partir do Zoroastrismo Persa. Como dizem, passam a existir a partir daí, ‘lendas’ entre alguns judeus de que Satanás é considerado como o rei dos demônios, que se rebelara contra Deus sendo expulso do céu. Ao exilar-se do céu, levou consigo uma hoste de anjos caídos, e tornou-se seu líder. Lendas como essa podem ser encontradas no pseudo-epígrafe de Enoque, por exemplo, sendo que tanto Pedro quanto Judas, se apropriaram de idéias desses livros ao discorrer sobre a idéia dos anjos que pecaram.

Essa é a forma como pensa o, espírita, professor universitário Dr. Severino Celestino, historiador e pesquisador de textos bíblicos. Porém não apenas ele, mas muitos teólogos cristãos, em especial os liberais, pensam da mesma forma, e se fizermos uma análise sociológica como a que o Dr. Severino faz, realmente é uma hipótese que deve ser levada em conta.

Partindo de interpretações como essa, há os que sugerem a idéia de Satanás como o mal contido em cada ser humano. Admitindo o reconhecimento de Jesus a Satanás, os que assim pensam, defendem a idéia de que o diabo é apenas nosso lado mal. Eles vêm, por exemplo, em Mc 9,17-27, um homem sofredor de epilepsia e não possesso por um demônio.

Porém, apesar da base intelectual que tais afirmações possam trazer as mesmas não resistem a uma analise bíblica, que demonstra Satanás como um ser pessoal, sendo ele:

Líder dos demônios: Mc 3,22
Acusador = Zc 3,1
Pecador desde o princípio = I Jo 3,8
Pai da mentira, homicida desde o princípio = Jo 8,44
Príncipe deste mundo = Jo 12,31; 14,30; 16,11
Paulo o chama de deus deste mundo = II Cor 4,4

Dessa forma, é impossível pensarmos que um ser com tais características possa ser mera assimilação do zoroastrismo, ou uma espécie de maldade interior humana. Penso dessa forma, com base bíblica, que Satanás é sim um ser pessoal, criado por Deus o qual está delimitado por Ele, como podemos ver em Jó 1:12.

Veremos na parte 3 dessas postagens, através da bíblia, quais as funções de Satanás e para que ele veio Tentaremos concluir esclarecendo algumas interpretações no mínimo exageradas, com relação ao estado inicial de Satanás e sua suposta queda.

Mas há ainda declarações do Dr. Severino Celestino as quais eu gostaria de dar ênfase:

"Muitas pessoas acreditam no poder de Satanás e até o enaltecem em suas igrejas, razão pela qual, achamos que seriam fechadas muitas igrejas se os seus dirigentes deixassem de acreditar em Satanás".

“Mas o homem ainda não compreendendo a grandeza de Deus vem, infelizmente, perpetuando esse dualismo entre o bem e o mal, principalmente no meio das religiões cristãs tradicionais. Erro teológico, que a nosso ver é grave, pois é com esse pensamento que sustentam uma pedagogia negativa, querendo que seus fiéis façam o bem somente por medo do "tridente de satanás", ao invés, do que seria obvio e lógico, fazer o bem por amor a Deus.”

Independente das minhas diferenças, de pensamento teológico, com relação ao Dr. Severino, reconheço que estas são declarações que tem grande percentual de verdade!
Anderson L. Santos Costa

1 Comment

  1. wallan Said,

    nisso que colocou sobre o livro de Samuel comparando com Crônicas,da pra perceber claramente a influência do Zoroastrismo na religião judaica...

    muito massa!
    hehe
    to me sentindo o Indiana Jones..huahauha

    Posted on 17 de março de 2009 23:46

     

Postar um comentário